CMAA conquista primeiro lugar em rentabilidade no setor de açúcar e álcool

O jornal Valor Econômico publicou hoje, 21 de agosto de 2018, a 18º edição do Valor 1000 - o mais completo anuário que avalia as empresas em operação no Brasil.

O Valor 1000 disponibilizará análises aprofundadas das 1000 maiores companhias do país, com rankings de comparação, demonstrações financeiras consolidadas, faturamento por receita líquida e outros itens estratégicos. Os dados que compõem o ranking das empresas são apurados preferencialmente a partir dos balanços consolidados, para refletir o alinhamento às normas contábeis internacionais.

Os critérios empregados pelo Valor 1000 são homologados pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas e têm a chancela da Serasa Experian - ambas parceiras na publicação.

Este ano, a CMAA ficou na 541ª colocação do ranking geral das 1000 maiores empresas, conquistando 172 posições em relação ao ano anterior (posição 713).





Além do ranking geral, a CMAA destaca-se ainda pelo seu excelente desempenho:



Essa é uma grande conquista para a companhia, que vem trabalhando com determinação para driblar os desafios da economia mundial e levar ao mercado uma lição percebida nos resultados colhidos pelo excelente trabalho realizado na safra 17/18.

Indicador de Rentabilidade: trata-se da divisão do lucro líquido do exercício pelo patrimônio líquido do fim do exercício. O indicador é medido em porcentagem e é um dos indicadores de rentabilidade adotados no Valor 1000. Alternativamente, é também conhecido como uma medida de retorno ao acionista.

Indicador de Margem da Atividade: trata-se da divisão do lucro da atividade do exercício pela receita líquida do exercício. O indicador também é apresentado em porcentagem e mede margem de uma empresa na sua atividade-fim (antes, portanto, do resultado financeiro).

Indicador de Crescimento Sustentável: o indicador, medido em pontos, avalia o aproveitamento dos recursos próprios da companhia no crescimento do seu negócio. É obtido pela divisão do percentual de aumento da receita líquida pelo percentual de aumento do patrimônio líquido ajustado pelas reservas de reavaliação. Quanto mais próximo de 1, melhor.